terça-feira, 31 de julho de 2012

Convite para o Chá de Fraldas/Bebê - Passo a Passo


Você vai precisar de:

  • Canetas coloridas
  • Tesoura sem ponta
  • Alfinetes para fraldas
  • Feltro branco
  • Cartolina colorida (voce pode usar o dueto rosa ou azul, dependendo do sexo do bebê)



Corte o feltro branco em formato quadrado. Os lados devem ter aproximadamente 25 cm.



Dobre o feltro cortado ao meio.



Dobre novamente ao meio. Ele deve ficar igual mostra a foto.



Puxe uma das pontas do feltro para a lateral inversa - como se estivesse desfazendo a primeira camada do quadrado. A fralda vai ficar com um lado quadrado e o outro com um triângulo.



Vire a fralda e dobre a parte quadrada ao meio, formando um retângulo.



Corte a cartolina colorida em pequenos retângulos (6x4cm)



Com as canetas coloridas, escreva a mensagem que desejar no convite. Não se esqueça de colocar a data, o horário e o endereço do chá, ok?


Diário da Cat - 9º mês

Resolvi procurar um especialista no assunto, para tirar todas as dúvidas de vez sobre o tratamento da Dra. Raquel e resolver de fato essa bronquiolite que não sarava nunca. Achei a Dra. Priscila Catherino, pediatra pneumologista que atende numa clínica bacanérrima no Alto da Lapa. A conclusão: não acrescentou, modificou ou retirou uma vírgula da prescrição antiga. Ai que alívio, agora minha confiança na pediatra de rotina estava mais do que reestabelecida. Estamos seguindo com o tratamento e fazendo fisioterapia quando julgamos necessário. Todo dia tenho que dar a medicação, a preventiva e da crise.

Este mês mamãe ficou emocionada em ver mais uma expressão de que meu bebê está crescendo. A Catarina começou a tentar se levantar com apoio, e até arriscar a dar uns passinhos. Todos os dias eu tento fazê-la andar um pouquinho, a meta é ela estar andando em seu aniversário de 1 aninho...kkk.

Mesmo doentinha a bichinha está comendo bem, mas acredita que emagreceu 50 g em relação as medições do mês passado??? Acho que é por conta de tanta movimentação...kkk....desse senta, levanta, engatinha.

Junho é mês de festa junina e para comemorar os 9 meses da Cat. Olha só que primor ficou o bolinho da vovó, disparado o melhor de todos!!! Não preciso nem dizer que a Cat usou seu primeiro vestidinho caipira...uai!!!

 
Mesversário 9º mês

Caipirinha linda!


sexta-feira, 27 de julho de 2012

Nossa Senhora do Bom Parto

De tanto enviar esta oração as gravidinhas, resolvi postar hoje a história desta santa que protege muitas devotas pelo mundo!!!


Oração a Nossa Senhora do Bom Parto

Ó Maria Santíssima, vós,
por um privilégio especial de Deus,
fostes isenta da mancha do pecado original,
e devido a este privilégio
não sofrestes os incómodos da maternidade,
nem ao tempo da gravidez e nem no parto;
mas compreendeis perfeitamente
as angústias e aflições das pobres mães
que esperam um filho,
especialmente nas incertezas do sucesso
ou insucesso do parto.
Olhai para mim, vossa serva,
que na aproximação do parto,
sofro angústias e incertezas.
Dai-me a graça de ter um parto feliz.
Fazei que meu bebé nasça com saúde,
forte e perfeito.
Eu vos prometo orientar meu filho
sempre pelo caminho certo,
o caminho que o vosso Filho, Jesus,
traçou para todos os homens,
o caminho do bem.
Virgem, Mãe do Menino Jesus,
agora me sinto mais calma
e mais tranquila porque já sinto
a vossa maternal protecção.
Nossa Senhora do Bom Parto,
rogai por mim! 





Nossa Senhora do Bom Parto - Virgem Morena de Paris - 15 de Setembro


N. Sra. Bom Parto


Os títulos de Nossa Senhora, "do Bom Parto" e do "Bom Sucesso" nasceram aos pés da imagem da Virgem Negra de Paris, venerada na antiga igreja Saint-Etienne-des-Grès, capital francesa. Invocar a proteção da Mãe durante a gestação e parto é o que toda família cristã sempre fez ao longo dos séculos. 

O culto à Virgem do Bom Parto é uma das mais tradicionais devoções da França, Espanha e Portugal, que se espalhou por muitas outras nações. No mundo cristão, esse culto aparece com títulos semelhantes, como Nossa Senhora do Divino Parto, entre outros, porém as imagens representam a Virgem com a pele clara. 

Nos registros das primeiras igrejas cristãs, encontramos muitas indicações sobre estátuas e pinturas da Virgem Maria com a pele morena. Na Antiguidade, a cor preta em símbolos religiosos, era sinal de fertilidade. Um sinal que a primitiva arte cristã manteve, para invocar a fertilidade física e espiritual de Maria, Mãe de Deus e nossa. 

A imagem de Maria da igreja de Paris foi esculpida em pedra negra e data do século XI. Considerada milagrosa, é diante dela que acorrem constantes peregrinações de devotos. Nossa Senhora do Bom Parto é especialmente invocada nas ocasiões de tragédias pessoais e públicas. Aos seus pés, o Padre Cláudio Poullart dês Places, junto com doze companheiros pobres, fundou a Congregação do Espírito Santo e do Imaculado Coração de Maria, em 1703. A Congregação dos padres espiritanos cresceu rapidamente e, orar diante da Virgem Negra de Paris, era sinal da primeira consagração. 

Outras personalidades importantes foram rezar aos pés de Nossa Senhora do Bom Parto, em Paris. Dentre os quais: Domingos de Gusmão; Tomás de Aquino; Francisco de Sales, hoje Doutor da Igreja; Sofia Barrat; Vicente de Paulo, que colocou sob a proteção da Virgem Negra de Paris a sua grande Obra de caridade e os seus Institutos; e mais recentemente João Bosco. 

Durante a Revolução Francesa, a igreja de Saint-Etienne-des-Grès foi saqueada e destruída. Mas a escultura da Virgem Negra foi vendida à uma piedosa cristã, que a escondeu muito bem. Mais tarde, ela doou a sagrada imagem às Irmãs Enfermeiras da Congregação de São Tomas de Vilanova, que construíram uma capela nova para a veneração de Nossa Senhora do Bom Parto, em Neuilly, seu atual Santuário. Desse modo, asseguraram o culto e as constantes peregrinações dos fiéis e devotos. 

Foram os missionários espiritanos que divulgaram o culto à Senhora do Bom Parto no mundo. No Brasil eles aportaram em dezembro de 1885, e encontram essa devoção já estabelecida no país. Os registros indicam que os cristãos brasileiros começaram a invocar Senhora do Bom Parto, diante da imagem da Virgem do Ó, na igreja erguida no Rio de Janeiro em 1650. Isso porque, anexada à ela, os padres fundaram o Recanto do Bom Parto, para acolher as mulheres grávidas rejeitadas pela sociedade. 

Atualmente Nossa Senhora do Bom Parto é nome de muitas localidades brasileiras e são inúmeras as paróquias dedicadas à ela, cuja imagem é similar à da Virgem Negra de Paris, já na cor clara. 

Fonte: Paulinas

segunda-feira, 23 de julho de 2012

Diário da Cat - 8º mês


Este foi o primeiro mês que passamos por um perrengue médico com Cat.

Com oito meses e meio a Catarina começou apresentar sintomas de um resfriadinho, aqueles clássicos como narizinho entupido e tosse. Para resfriado, não há muito o que se fazer, a não ser mantê-la hidratada, pingar soro fisiológico e fazer inalação. Às vezes ficava com um pouco de dificuldade de respirar enquanto mamava, mas mesmo assim não diminuiu o apetite pelo almoço ou janta. Fiquei esperando esse resfriado passar, tranquila, pois tinha dado a vacina de gripe. Passou uma semana, achei que poderia esperar mais até completar 10 dias, para então falar com a pediatra dela. Nada de pânico por enquanto, estava comendo bem, sem febre, mas o catarro não saia de jeito nenhum. Um dia desses, ela estava tão constipada que deu uma engasgada tão feia que a bichinha até ficou com as bochechas vermelhas, tossiu, tossiu, mas tossiu tanto...não chegou a ficar roxa, mas foi a primeira vez que fiquei realmente preocupada. Viramos, eu e meu marido, a Cat com a barriga para baixo (sempre com a cabeça mais baixa do que o bumbum), para ver se saía alguma coisa...e nada! Minutos depois, estava tudo bem. Liguei para a pediatra dela logo em seguida, a primeira pergunta foi se ela tinha ficado roxa, disse que não, apenas que tinha tossido muito. Ela me disse é que isso era um bom sinal, que era a resposta do organismo dela em virtude do engasgo. Ufaaa...


Nada, mas nada dessa tosse passar, o nariz constipado nem era mais o problema. Como dias depois era a consulta de rotina dela, decidi esperar mais um pouquinho. Na consulta com 15 dias de resfriado, descobri que o resfriado não era resfriado e sim uma bronquiolite!!! Minha sogra, tadinha, entrou em pânico, porque a outra netinha dela ficou internada por dias por conta dessa doença.

Dá-lhe remédio na guria, além das inalações com soro tinha que colocar algumas gotinhas de Aerolin e dar Predinisolona por uma semana. Caso não passasse 100% a tosse no prazo estipulado era para retornar ao consultório. Depois de alguns dias, a tosse melhorou uns 80%, mais ainda não era suficiente.

Nesse meio tempo por insistência das avós e do papai, resolvi levar a Cat para uma segunda opinião médica, porque já fazia quase 1 mês e ainda ela estava com tosse e chiado embora sem febre. Como a Catarina estava demorando a ficar boa, o povo estava desconfiado do tratamento orientado pela pediatra dela e no achismo de ser pneumonia. Fui numa clínica perto de casa mesmo, passei na emergência, fiquei 2 horas esperando nesse lugar...já perceberam que não gostei né?! E uma médica ho-ror-ro-sa me atendeu. Disse todo o histórico médico dela, a anamnese e o tratamento que estava sendo feito, e ela simplesmente disse: - "Quem prescreveu isso???". Fiquei bege, como assim, acho ela deve estar pensando que eu auto prescrevi os remédios da Catarina. Disse que era um absurdo dar Aerolin para bebê que eu tinha que dar Berotec. Lembro-me de quando a Dra. Raquel prescreveu o Aerolin, a primeira pergunta que fiz foi sobre o Berotec e a diferença entre eles, porque meu pai tem DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica) e usa Berotec. A resposta...-Michelle, o Berotec tem muito menos efeito colateral. Meu Deus, como pude duvidar da minha pediatra, dona de um CV invejável, que trabalha em vários hospitais conceituados, professora da Escola Paulista e levar minha filha nessa clinica de fundo de quintal....afff, uma vez pra nunca mais!!! A única coisa boa é que saí de lá com um RX de tórax, que diga-se de passagem, muito mal tirado por sinal.

Então de volta à pediatra. Excluindo o diagnóstico de pneumonia, decidimos entrar agora com Amoxilina, não por conta do RX mas por causa do ouvidinho levemente vermelho e Cerumim, e uso preventivo de corticóides para tratamento de asma (Flixotide e Singulair Baby) pelo menos durante o inverno e usar espaçador para as bombinhas. Pudera também, neta e filha de asmáticos não poderia dar em outra coisa...genes do mal. E lá se foi o rico dinheirinho da mamãe na farmácia!!! Mas por eles a gente não mede esforço, não é???

Depois de pesquisar sobre bronquiolite, descobri a fisioterapia respiratória. Gente, custa em média R$150,00 a sessão mas não é que a coisa funciona mesmo!!! Como disse, a Catarina estava catarrenta mas de jeito nenhum ela conseguia expelir o catarro. Que ajuda maravilhosa as manobras de tapotagem e a aspiração feita pela fisioterapeuta. Recomendo muito!!!

As outras novidades do mês...

Mais dois dentes na boca da Cat, agora nasceram incisivos laterais superiores e somam-se seis dentes na dentadura. Agora depois de muita insistência e treinamento a Cat aprendeu a bater palminha e dar tchau.

8º mês - Indo na festa da priminha!!!

Ahhh...mas mês que vem a continuação do caso do resfriado arrastado!!!kkk

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Lojinha da Cat


o slogan da lojinha é: roupinhas lindinhas, limpinhas e cheirosinhas por um precinho bacaninha!!! CLARO E COM CERTEZA...

Depois de doar as roupinhas usadinhas, surradinhas e até aquelas manchadinhas, o que fazer com as roupinhas lindinhas da Cat??? Nada melhor do que reverter a graninha das coisinhas da Cat para a própria Cat, ou seria para a mamãe???kkk.

Pensando nisso, ao invés de vender nos brechós espalhados pela cidade (que pedem numero mínimo de peças e é cheio de burocracia), decidi colocar no ar a Lojinha da Cat. A princípio as peças foram de uso exclusivo dela (mas estou pensando, se tiver procura, de colocar peças de outros bebês em consignação), boa parte comprada nos EUA. Portanto há marcas como Carter´s, Oshkosh, GAP, Ralph Lauren, mas também tem ótimas marcas das brasileiras como Milon, Lilica Ripilica, Green, Tily Baby, Sonho Mágico e algumas outras.

Resolvi fazer uma classificação básica como: (N*) novas lavadas mas sem etiquetas - pode confiar...kkk, (QN) quase novas - usadas 1 a 3 vezes no máximo, (P) pouco usadas, (M) de uso moderado.

As regrinhas estão na lateral da apresentação do blog, mas é super simples. Qualquer dúvida é só postar comentários neste post.

As peças estão disponíveis no http://www.flickr.com/photos/coisinhas-da-cat/, vou tentar sempre colocar as fotos no mesmo padrão de fundo branco e atualizar os pedidos o mais rapidamente possível. Recomendo que vejam os Álbuns (dividido em Roupinhas, Pisantes ou Acessórios) ao invés da Galeria, assim fica mais organizado e as fotos em ordem.

Espero que gostem!!!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Manual Merk - Saúde para a Família

Escrito por 200 médicos respeitados internacionalmente, o Manual Merk Saúde para a Família cobre as doenças e os distúrbios humanos, da gravidez e da infância até a vida adulta.

O livro online está disponível no link http://mmspf.msdonline.com.br/pacientes/manual_merck/secao_00/sumario.html

Não vale achar que depois de ler o livro, não precisa procurar um médico hein pessoal!!!kkk

sexta-feira, 13 de julho de 2012

Dúvidas SAÚDE

O texto foi retirado da revista Crescer...


Meu bebê regurgita muito, como sei se é refluxo?
É fácil confundir a regurgitação comum, que ocorre depois das mamadas, com o refluxo gastroesofágico. Ela ocorre porque a válvula entre o esôfago e o estômago ainda está se desenvolvendo. O amadurecimento acontece naturalmente entre os 6 meses e 1 ano. Até lá, o jeito é ter muitas fraldas extras. Já o vômito em excesso e sem motivo é um dos sintomas do refluxo patológico, que é mais raro, mas somente o pediatra pode concluir o diagnóstico.
Como tratar a fimose? Devo fazer massagem ou esperar o bebê crescer e usar uma pomada?
Cada caso deve ser analisado separadamente e as opções de tratamento, discutidas com a família. Normalmente, os pediatras indicam pomadas e massagens no local e, nos casos em que não há sucesso, opta-se pela cirurgia. A maioria recomenda o procedimento por volta de 2 anos de idade.
Qual é a diferença entre a vacina contra paralisia infantil dada no posto de saúde e a das clínicas particulares?
A vacina contra a paralisia infantil dada gratuitamente no posto de saúde, na forma de gotinhas, chama-se Sabin. Nas clínicas particulares, a alternativa é a Salk (a dose é aplicada conjugada com outra vacina dependendo da idade da criança, e o preço fica em torno de R$180). As dosagens de ambas – e a eficácia – são as mesmas. A única diferença entre elas está na composição. A Salk é feita com vírus morto (inativo) e é injetável. A Sabin é feita com vírus vivo e atenuado. Embora raro, existe o risco da doença ser provocada pelo vírus vivo presente na Sabin.
O bebê precisa tomar água? E no verão?
Se o seu filho está mamando exclusivamente no peito, a resposta é não. O leite fornece todos os nutrientes que ele necessita. Em dias de muito calor, se perceber que ele não mama o suficiente, ofereça um pouco de água, mas isso deve ser uma exceção. Caso seu filho já use a mamadeira, não há problema em oferecer água em dias quentes, até porque o leite em pó requer água no preparo.
Os bebês enxergam logo que nascem? Quando começam a ver cores?
Assim que nascem, os bebês enxergam mal. Têm a visão nublada e dificuldade para focar. Não enxergam cores nítidas e conseguem apenas identificar contrastes entre cores claras e escuras. Nessa fase, enxergam melhor quando o objeto fica de 25 a 30 cm. Essa é a distância que o rosto da mãe fica quando ela segura o filho no colo para amamentar, por exemplo. De 3 a 6 meses, ocorre um grande progresso na distinção de cores e nitidez, chegando a ser muito próxima à visão do adulto.
Meu filho usa chupeta para dormir, mas os primeiros dentes começaram a nascer. Devo tirar? Como?
A chupeta pode ajudar seu filho a se tranquilizar com mais facilidade. Mas não é uma solução definitiva. A idade limite para o uso é 3 anos. Caso contrário, ela pode causar alterações na arcada dentária. Para retirá-la, é preciso determinação: livre-se dela e, principalmente, não ceda ao choro. Uma boa dica é contar histórias na cama. A criança vai se desligar e adormecer, sem lembrar da chupeta.
Quando os primeiros dentes vão começar a nascer?
Pode acontecer entre 4 e 10 meses, mas é apenas uma estimativa. Há bebês que já nascem com um dente enquanto outros completam 1 ano ainda banguelas. Quando os dentes despontarem, seu filho vai levar tudo à boca para aliviar a dor e a coceira. Ele vai babar mais e pode ter febre. Fique atenta apenas se aparecer algum machucado, inchaço ou se a febre passar de 38º C.
É normal o bebê ter soluços nos primeiros meses?
Sim, é normal. Acontece porque o sistema digestivo dele ainda não está totalmente desenvolvido. Incomoda mais os pais do que a própria criança e, normalmente, passa sozinho.
É verdade que se o local da vacina da BCG não inchar e sair pus, ela não pegou? Nesse caso, tem que dar de novo?
Durante o processo de cicatrização da vacina, a criança pode ter febre e o local inchar e formar pus até criar a marquinha típica. Isso pode acontecer até seis meses após a vacinação. Do contrário, recomenda-se uma segunda dose. Há, porém, um exame chamado PPD (Prova Tuberculínica Cutânea) que aponta se a vacina imunizou a criança que não tem a marca. Mas o resultado deve ser interpretado com cautela. Converse com o pediatra.
Como identificar a cólica e o que fazer?
A cólica, em geral, começa no fim da tarde e é acompanhada por choro intenso. O bebê se contorce, flexiona as pernas e o rosto fica vermelho. Pode soltar gases e demonstrar que tem dor. Para amenizá-la, faça massagens, coloque bolsa térmica ou pano quente na barriga, movimente as perninhas, pegue-o no colo (próximo ao seu coração) ou, ainda, dê um banho morno.
Se o bebê estiver com febre, quando devo ligar ao pediatra ou levar ao pronto-socorro?
Em crianças com menos de 3 meses é grave, porque o sistema imunológico é imaturo e nem todas as vacinas foram tomadas. Por isso, procure um pediatra ou um pronto-socorro logo. Em bebês maiores, você pode dar um antitérmico e ligar para o médico para avisar se há outros sintomas como prostração, vômitos, ausência de fome, moleira elevada, tosse, respiração difícil ou manchas vermelhas. Do contrário, observe a evolução do quadro por 24 horas. Além do antitérmico, dê um banho morno e ofereça bastante líquido se ele tiver mais de 6 meses.
Posso ligar o ar-condicionado ou o ventilador no quarto do bebê?
Nos dias de calor, o ventilador pode ser posicionado a distância e voltado para o lado contrário da criança. No caso do ar-condicionado, é preciso monitorar o ambiente para checar a temperatura a toda hora. Mas ele resseca o ar. Por isso, melhor avaliar se realmente é necessário.
O que é melhor: canguru ou sling?
Até os 3 meses, é melhor o sling. Nesse caso, o bebê fica todo envolvido e confortável. Para ficar no canguru de forma segura, a criança deve sustentar a cabeça sozinha. Por volta dos 10 meses, talvez você prefira o canguru, que deixa os braços e pernas do bebê livres. Nenhum dos dois prejudica a coluna da criança.
Posso manter o cachorro depois que o bebê chegar?
Claro! Antes, porém, coloque as vacinas dele em dia e restrinja o seu acesso aos quartos. Quando ele chegar, deixe-o cheirar o bebê para que se familiarize. Faça carinho e dê petiscos, na frente do bebê, para diminuir o ciúme inicial.

Fontes: Tânia Shimoda, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo; Márcia Pradella-Halinan, neuropediatra e coordenadora de pediatria do Instituto do Sono da Unifesp; Márcia Kuriki, enfermeira-obstetra, supervisora da maternidade do Hospital São Luiz (unidade Anália Franco); Rita Callegari, psicóloga do Hospital e Maternidade São Camilo, Fátima Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), Jane Oba, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP), Gerson Matsas, pediatra do Hospital Samaritano (SP), Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio-Libanês (SP), Sônia Liston Colina, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Moises Chencinski, pediatra (SP), Wagner de Castro Andrade, cirurgião pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), José Claudionor da Silva Souza, pediatra e neonatologista da Maternidade Pro Matre Paulista (SP), Clery Bernadi Gallacci, pediatra da maternidade Santa Joana e professora de pediatria da faculdade de ciências médicas da Santa Casa de São Paulo;Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo


Dúvidas PASSEIO E COMPORTAMENTO

O texto foi retirado da revista Crescer...


Quando posso começar a dar os primeiros passeios com o meu bebê?
No primeiro mês, é bom ficar em casa. Depois, evite lugares fechados e lotados. A partir do segundo mês, você pode levá-lo a clubes, casas de parentes e praças sem aglomerações. Também dá para passear na praia nos horários de sol tênue (de manhã ou no final da tarde) ou viajar em baixa temporada. No terceiro mês, lugares como shopping centers estão liberados, mas não no horário de pico. Ao completar 4 meses, já pode ir a outros eventos, desde que os passeios não interfiram na rotina dele.
Com quantos meses posso levá-lo à praia e à piscina?
Viagens longas estão liberadas somente depois do primeiro mês. Programe-se para amamentá-lo durante a descida da serra, caso vá de carro, para evitar que a pressão cause dor de ouvido na criança. Mas, se vocês moram no litoral, ele já pode passear na praia de manhã ou no fim da tarde. A partir do quarto mês, o bebê pode entrar na piscina acompanhado dos pais. Mas nadar no mar só é recomendado a partir do primeiro ano.
Faz mal andar de avião com um bebê de 15 dias?
As viagens de avião são permitidas a partir do primeiro mês – antes disso, as alterações de pressão podem causar problemas respiratórios. Durante o voo, amamente ou ofereça mamadeira e chupeta. O ato de sugar alivia a sensação de “ouvido entupido”. No avião, leve a criança na cadeirinha, de preferência sobre um assento.
Sinto muito ciúme de outras pessoas pegarem meu bebê no colo. Como lidar com isso?
Esse sentimento de proteção é normal e esperado das mães. Mas não pode se transformar em instinto de posse. Tenha em mente que, para que seu filho se desenvolva emocionalmente, quanto maior o número de vínculos afetivos que ele criar com as pessoas ao redor, melhor. Por amor, você precisa aprender a “dividi-lo”.
O bebê é tão molinho quando nasce. Tenho medo de machucá-lo. Como saber se estou segurando meu filho direitinho?
O ser humano é mais flexível ao nascer para facilitar a passagem pelo canal de parto. A maneira certa de segurar um bebê é amparar o corpo e a cabeça ao mesmo tempo. Faça o teste ainda na maternidade, com a orientação das enfermeiras. Seja firme, mas não precisa apertá-lo. Aos poucos, você vai agarrá-lo com mais segurança, não se preocupe.
A licença-maternidade está no fim. O que é melhor: babá ou berçário ?
Os especialistas divergem sobre a opção ideal, mas concordam que a mãe tem de se preparar para essa transferência de cuidados do bebê para outra (ou outras) pessoa. No berçário, a lista de profissionais que vão cuidar da criança é atraente. Por outro lado, o contato com mais crianças aumenta o número de doenças. Em casa, ela estaria mais protegida disso, porém é preciso ter cuidado com a escolha da profissional. Assim como em qualquer trabalho, a funcionária precisa de treinamento e vocação. Seja qual for a sua decisão, não precisa ser definitiva. Se não der certo, rearranje tudo.
Meu filho fica com a babá o dia inteiro. Ele pode se confundir sobre quem é a mãe dele?
Claro que não. Se ele for bem tratado, é natural que se apegue à babá. A relação entre mãe e filho, porém, é um vínculo mais intenso. Você deve, portanto, aprender que está dividindo apenas os cuidados – e não a maternidade. Não existe motivo para se sentir ameaçada.

Fontes: Tânia Shimoda, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo; Márcia Pradella-Halinan, neuropediatra e coordenadora de pediatria do Instituto do Sono da Unifesp; Márcia Kuriki, enfermeira-obstetra, supervisora da maternidade do Hospital São Luiz (unidade Anália Franco); Rita Callegari, psicóloga do Hospital e Maternidade São Camilo, Fátima Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), Jane Oba, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP), Gerson Matsas, pediatra do Hospital Samaritano (SP), Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio-Libanês (SP), Sônia Liston Colina, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Moises Chencinski, pediatra (SP), Wagner de Castro Andrade, cirurgião pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), José Claudionor da Silva Souza, pediatra e neonatologista da Maternidade Pro Matre Paulista (SP), Clery Bernadi Gallacci, pediatra da maternidade Santa Joana e professora de pediatria da faculdade de ciências médicas da Santa Casa de São Paulo;Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo



Dúvidas ROUPAS E HIGIENE

O texto foi retirado da revista Crescer...


Qual o melhor horário para dar banho no bebê?
Alguns pediatras orientam que seja no horário mais quente do dia, entre 11 e 15 horas. Mas você pode adaptar o banho à rotina da família. Se ambos os pais querem estar presentes e isso só ocorre de noite, tudo bem. Além disso, alguns bebês gostam de tomar banho antes de dormir, porque ficam mais relaxados. Seja qual for o período escolhido, é importante que o banho aconteça sempre no mesmo horário para criar uma rotina.
Posso colocar presilhas, tiaras e afins no meu bebê?
Sim, mas prefira as tiaras com elástico e que não apertem. Fitinhas com velcro também ficam uma graça. Elas podem ser grudadas, ainda, com sabonete. Já as fivelas de metal devem ser evitadas nos primeiros meses.
Posso usar sapatinhos (variados) no bebê?
Os bebês não precisam de sapatos, mas quem resiste? Escolha os de material macio e, claro, certifique-se de que o pé da criança está protegido do frio.
Quando devo cortar o cabelo do meu filho?
Alguns bebês nascem bem cabeludos e outros quase carecas. Depois do nascimento, é normal eles perderem um pouco de cabelo de qualquer forma. Mas a data do primeiro corte depende apenas do gosto dos pais. Os fãs de cachinhos ou cabelos tigelinha, por exemplo, só vão levar a criança ao salão de beleza após 1 ano de idade provavelmente.
As mãos do meu bebê ficam frias. Coloco mais roupas nele? Bebês sentem mais frio que adultos?
Nos primeiros dias, o recém-nascido perde calor facilmente e, de fato, precisa de mais roupas. Por baixo do macacão, devem usar body e culote. No verão, prefira tecidos leves, como linha e malha. Já no inverno, opte por lã ou plush. Além disso, envolva a criança com uma manta ou xale. As mãos também ficam geladas, pois a circulação do sangue não é completa nas extremidades do corpo. Mas isso não é sinal de que ele está com frio. Depois de um mês, o sistema termorregulador evolui. Nesse caso, se estiver muito calor, ele pode ficar apenas de macacão. Alguns bebês muito agasalhados ficam incomodados ou têm até brotoejas. Use o bom senso.
Meu bebê nasceu com a unha comprida, posso cortá-la ou só devo lixar? É melhor usar tesourinha ou trim?
O melhor é lixá-las, de cima para baixo, com uma lixa específica para bebês pois a criança pode nascer com um pouco de pele ao redor das unhas e, ao cortá-las, os pais podem machucar a criança sem querer. Depois de algumas semanas, você já pode cortá-las, desde que seja com uma tesourinha. Espere, porém, que ele pegue no sono. É mais fácil assim.
Como cuidar do umbigo? Quanto tempo demora para cair? Como limpar antes e depois da queda?
Para começar, não é necessário cobrir o umbigo, a não ser com a própria fralda. A limpeza deve ser feita com cotonete embebido de álcool a 70%, três vezes ao dia. A queda ocorre, em média, nas primeiras duas semanas de vida. Caso leve mais tempo, informe ao pediatra. Mantenha os mesmos cuidados de higiene depois que o umbigo cair, até perceber que a região está bem sequinha.

Fontes: Tânia Shimoda, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo; Márcia Pradella-Halinan, neuropediatra e coordenadora de pediatria do Instituto do Sono da Unifesp; Márcia Kuriki, enfermeira-obstetra, supervisora da maternidade do Hospital São Luiz (unidade Anália Franco); Rita Callegari, psicóloga do Hospital e Maternidade São Camilo, Fátima Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), Jane Oba, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP), Gerson Matsas, pediatra do Hospital Samaritano (SP), Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio-Libanês (SP), Sônia Liston Colina, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Moises Chencinski, pediatra (SP), Wagner de Castro Andrade, cirurgião pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), José Claudionor da Silva Souza, pediatra e neonatologista da Maternidade Pro Matre Paulista (SP), Clery Bernadi Gallacci, pediatra da maternidade Santa Joana e professora de pediatria da faculdade de ciências médicas da Santa Casa de São Paulo;Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo

Dúvidas ALIMENTAÇÃO

O texto foi retirado da revista Crescer...

Quando é hora de colocar no cadeirão? Posso alimentá-lo no meu colo?
A partir dos 6 meses, quando a maioria das crianças consegue sentar sozinha sem apoio, já é hora de colocá-la no cadeirão. A idade também corresponde ao período em que a criança que foi amamentada exclusivamente no peito até então deve iniciar as papinhas. É mais higiênico, prático e confortável para a criança do que qualquer outro lugar. Coloque-o, de preferência, no mesmo local onde a família come, para que ela participe da refeição com todos.
Meu filho tem 11 meses e não quer largar a mamadeira da madrugada, o que atrapalha o sono dele. É normal?
A partir dos 6 meses, não é mais recomendado que o bebê continue mamando durante a madrugada. A partir dos 7 meses, ele já deve jantar e mamar antes de dormir. O ideal é que ele faça a última mamada por volta das 22 horas. Isso não significa que o bebê precise ficar acordado até esse momento chegar. Se ele estiver dormindo, retire-o do berço e ofereça o peito ou a mamadeira na posição inclinada no colo.
De quantas em quantas horas o bebê precisa mamar ?
No primeiro mês, os horários das mamadas são bastante irregulares. O bebê pode solicitar o peito ou a mamadeira com um intervalo de uma a três horas. A partir do primeiro mês de vida, os horários se tornam mais regulares e ele tem fome, em média, a cada três horas durante o dia e a cada quatro horas de madrugada.
Devo esterilizar a mamadeira e a chupeta sempre? Onde é melhor guardá-las?
As mamadeiras e chupetas devem ser esterilizadas todos os dias durante o primeiro ano do seu filho. A esterilização pode ser feita em recipientes adequados através da fervura por cinco minutos para chupetas e de oito a dez minutos para as mamadeiras ou em esterilizador de micro-ondas. Assim que acabar a esterilização, não deixe os objetos no local onde foram esterilizadas (boiando dentro da panela, por exemplo). Retire-as da fervura, passe em água corrente, seque e guarde-as em local limpo. Não esqueça de trocar os bicos da mamadeira e da chupeta a cada dois meses.
Vou voltar a trabalhar, o que faço para meu leite não secar?
Se possível, retire o leite durante o horário de trabalho e armazene em um recipiente de vidro etiquetado com a data. Conserve-o na geladeira até o término do expediente. De qualquer forma, continue amamentando enquanto tiver leite, nem que seja uma ou duas vezes ao dia. O ato de sugar é o principal estímulo para a produção de leite.
Posso colocar peixe nas papinhas?
Sim, mas só depois de 1 ano. Antes disso, só com aprovação médica. Tente comprá-lo fresco e em local com boas condições de higiene. Prefira o alimento assado ou grelhado e escolha um sem espinhas, como cação e salmão, e fique de olho nas possíveis reações alérgicas.
Posso congelar as papinhas?
Sim, se a comida for fresca. Mas esterilize os potes usados e cole etiquetas (com data e ingredientes). A papa pode ser mantida por até 30 dias.
Fazer papinhas na panela de pressão interfere nos nutrientes?
Existem opiniões divergentes. Alguns especialistas afirmam que na panela de pressão o tempo de cozimento dos alimentos é menor, e a perda nutricional também. Outros dizem que, como o calor na panela de pressão é maior, os alimentos perderiam mais nutrientes do que no cozimento a vapor. Quem decide, nesse caso, é você em uma conversa com o pediatra do seu filho.
O que fazer se ele engasgar?
Se a criança tossir e parecer que está bem, não se preocupe. Mas, caso o objeto ou o alimento (corpo estranho) obstruir a via aérea, impedindo-a de respirar, ligue para emergência (disque 192) imediatamente. Enquanto espera socorro, deite-a de barriga para baixo no seu colo com a cabeça mais baixa que o bumbum e dê cinco tapas firmes nas costas. Em seguida, vire-a de barriga para cima e faça pressão no tórax, como uma massagem cardíaca.
Posso dar a papinha em colher de inox? Ou só de silicone?
O talher de silicone é o melhor, por ser mais flexível. Na hora da refeição, a criança se mexe muito e com uma colher de inox, por exemplo, ela pode machucar a boca ou as gengivas.


Fontes: Tânia Shimoda, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo; Márcia Pradella-Halinan, neuropediatra e coordenadora de pediatria do Instituto do Sono da Unifesp; Márcia Kuriki, enfermeira-obstetra, supervisora da maternidade do Hospital São Luiz (unidade Anália Franco); Rita Callegari, psicóloga do Hospital e Maternidade São Camilo, Fátima Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), Jane Oba, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP), Gerson Matsas, pediatra do Hospital Samaritano (SP), Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio-Libanês (SP), Sônia Liston Colina, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Moises Chencinski, pediatra (SP), Wagner de Castro Andrade, cirurgião pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), José Claudionor da Silva Souza, pediatra e neonatologista da Maternidade Pro Matre Paulista (SP), Clery Bernadi Gallacci, pediatra da maternidade Santa Joana e professora de pediatria da faculdade de ciências médicas da Santa Casa de São Paulo;Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo



Dúvidas DESENVOLVIMENTO

O texto foi retirado da revista Crescer...


Meu filho tem nove meses e ainda não engatinha, enquanto os amiguinhos dele já. O que faço?
Variações no desenvolvimento dos bebês são normais. Afinal, cada criança tem seu ritmo próprio. Para estimular o engatinhar, deixe a criança em chão firme (superfícies com edredons e cobertores atrapalham) e espalhe brinquedos que se movimentam (como bolas e carrinhos). Ela provavelmente vai tentar alcançá-los. Mas é importante lembrar que alguns bebês pulam essa etapa e simplesmente aprendem a caminhar antes.


Meu filho é grande e as pernas estão encolhidas no bebê conforto do carro. Posso virá-lo para frente?
Se ele já tiver atingido os 10 kg, tudo bem. Pois a recomendação é que esse tipo de assento infantil seja usado no banco traseiro, de costas para o painel, do nascimento até a criança completar um ano de idade ou 10 kg. A partir de 1 ano, ele já pode passar para a cadeirinha, que é posicionada de frente para o painel, presa pelo cinto de segurança do carro.


Como estimular meu filho no primeiro ano? Devo comprar brinquedos educativos?
Estudos mostram que o melhor estímulo que uma criança pode receber no primeiro ano de vida é o contato com os pais. Simples, não? Mas é claro que os brinquedos, além de divertidos, também estimulam os pequenos. Na hora de escolher, não deixe de conferir a indicação da faixa etária e o selo de qualidade do Inmetro. Os brinquedos (da bola ao eletrônico, todos são didáticos) devem ter cores vibrantes, formas e texturas diferentes. Prefira produtos leves, sem pontas e fáceis de limpar. Não se frustre, porém, se o seu bebê preferir brincar com panelas e caixas de papelão!
Meu filho se atrai pelas luzes e pelo colorido da televisão. Co que idade posso deixá-lo assistir a programas infantis?
Segundo pesquisas, a televisão não traz benefícios às habilidades cognitivas e motoras da criança antes dos 2 anos. Mas não chega a ser prejudicial quando bem usada. Por isso, tudo bem deixar seu filho em frente à TV por algum tempo enquanto você termina o jantar, por exemplo. Os programas, no entanto, têm de ser adequados ao público infantil. Observe também se a TV não deixa seu filho muito agitado. 
Devo usar andador?
A Sociedade Brasileira de Pediatria condena o uso por diversas razões. Uma delas é porque atrasa o desenvolvimento psicomotor da criança, fazendo com que ela leve mais tempo para ficar de pé e caminhar sem apoio. E, embora ganhe mais mobilidade, gasta menos energia para alcançar o que lhe interessa. Mas o principal motivo diz respeito à segurança: o andador pode provocar graves acidentes.
Fontes: Tânia Shimoda, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo; Márcia Pradella-Halinan, neuropediatra e coordenadora de pediatria do Instituto do Sono da Unifesp; Márcia Kuriki, enfermeira-obstetra, supervisora da maternidade do Hospital São Luiz (unidade Anália Franco); Rita Callegari, psicóloga do Hospital e Maternidade São Camilo, Fátima Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), Jane Oba, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP), Gerson Matsas, pediatra do Hospital Samaritano (SP), Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio-Libanês (SP), Sônia Liston Colina, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Moises Chencinski, pediatra (SP), Wagner de Castro Andrade, cirurgião pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), José Claudionor da Silva Souza, pediatra e neonatologista da Maternidade Pro Matre Paulista (SP), Clery Bernadi Gallacci, pediatra da maternidade Santa Joana e professora de pediatria da faculdade de ciências médicas da Santa Casa de São Paulo;Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo

Dúvidas SONO

O texto foi retirado da revista Crescer...


Meu filho pode dormir sozinho desde o primeiro dia?
A OMS recomenda que o bebê durma no quarto dos pais, no berço, até o sexto mês. O objetivo é estimular a amamentação, pois em tese isso facilitaria a vida da mãe. Estudos mostram que a indicação também pode reduzir a taxa de morte súbita. Mas, se a mãe não se incomoda em levantar de noite, os pediatras dizem que o bebê pode dormir sozinho já no segundo mês.
O que fazer se o bebê não acordar para mamar (principalmente à noite)?
Nos primeiros meses, em geral, os pediatras sugerem que o bebê seja acordado durante a noite para mamar, caso não desperte sozinho. No entanto, se ele for um pouco mais velho e o ganho de peso estiver adequado, talvez não haja problema em espaçar as mamadas noturnas. Peça ao médico para avaliar qual é o caso do seu filho.
Meu bebê dorme cedo, por volta das 20 horas, mas acorda sempre às 6, mesmo que vá dormir às 21 ou 22 horas. Como fazer com que ele durma até mais tarde?
A personalidade do bebê deve ser levada em conta. Alguns são mais matutinos mesmo. Um jeito de fazer com que ele acorde um pouco depois, porém, seria dar a última mamada da noite um pouco mais tarde, por volta das 22h, mesmo que ele esteja dormindo. Mas o ideal é que a família tente ajustar seus horários.
Qual a posição ideal para o bebê dormir?
Desde a maternidade, a posição indicada é de barriga para cima. Pesquisas mostram que assim há menos risco de morte súbita. Quando ele aprender a se virar, por volta dos 5 meses, ele mesmo vai escolher o jeito que mais gosta. Só para lembrar, o bebê não precisa de travesseiro. A não ser os que têm refluxo, que devem dormir com a cabeceira do berço elevada.
Quando o bebê não arrota depois da mamada é perigoso colocá-lo no berço?
Em geral, o bebê que mama no peito arrota pouco. Isso porque o arroto é um mecanismo do corpo para liberar o ar ingerido na mamada, o que não acontece se a aréola for pega corretamente pela criança. Mas se ele toma mamadeira ou sofre de refluxo fisiológico, normal nos primeiros três meses, é comum engolir ar ou vomitar depois que mamou. Seja qual for o caso, os pais podem segurar o bebê por alguns minutos na posição vertical, sendo desnecessário bater nas costinhas dele, antes de colocá-lo no berço outra vez.
Meu bebê só quer dormir no colo, o que faço?
Não se preocupe, no primeiro ano é fácil modificar os hábitos de sono da criança. Basta criar uma rotina. A partir do momento que ela começar a ficar mais horas acordada, à noite, coloque-a no berço sempre no mesmo horário. O quarto deve estar escuro (ou com a luz do abajur) e sem barulho. Fique ao lado dela, cante uma música e dê um beijo de boa noite. Aos poucos, ela vai entender que está na hora de dormir e vai pegar no sono sozinha. Pode choramingar nos primeiros dias, mas tente resistir à tentação de pegá-la no colo outra vez.
Posso dar chás de camomila ou de erva-doce para induzir o sono da criança?
Não. Apesar da insistência de avós e tias, os pediatras são categóricos: até os 6 meses, a única bebida que a criança precisa é o leite materno. No entanto, os chás parecem acalmar porque têm efeito placebo. O ritual de bebê-lo é tão tranquilo que faz o sono chegar mais rápido para os que têm mais de 6 meses. Ainda assim, fale com seu pediatra.

Fontes: Tânia Shimoda, pediatra do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo; Márcia Pradella-Halinan, neuropediatra e coordenadora de pediatria do Instituto do Sono da Unifesp; Márcia Kuriki, enfermeira-obstetra, supervisora da maternidade do Hospital São Luiz (unidade Anália Franco); Rita Callegari, psicóloga do Hospital e Maternidade São Camilo, Fátima Fernandes, pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), Jane Oba, gastroenterologista pediátrica do Hospital Infantil Sabará (SP), Gerson Matsas, pediatra do Hospital Samaritano (SP), Alessandro Danesi, pediatra do Hospital Sírio-Libanês (SP), Sônia Liston Colina, pediatra do Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos (SP), Moises Chencinski, pediatra (SP), Wagner de Castro Andrade, cirurgião pediatra do Hospital Infantil Sabará (SP), José Claudionor da Silva Souza, pediatra e neonatologista da Maternidade Pro Matre Paulista (SP), Clery Bernadi Gallacci, pediatra da maternidade Santa Joana e professora de pediatria da faculdade de ciências médicas da Santa Casa de São Paulo;Hamilton Robledo, pediatra do Hospital e Maternidade São Camilo

quinta-feira, 12 de julho de 2012

E agora, qual carrinho escolher???




Existem inúmeros modelos de carrinhos no mercado, para todos os gostos e bolsos, eu diria que escolher o carrinho do bebê é uma tarefa realmente difícil!!! Não adianta escolher o moderno e pouco prático ou o prático e pouco confortável. O grande problema é que com essa imensidão de opções a gente acaba ficando um pouco perdida mesmo...


Eu pesquisei bastante sobre qual carrinho comprar, ainda mais que a compra seria feita nos EUA, onde os carrinhos são bem mais em conta e valeria até uma desvirtuada no orçamento...kkk. É claro que existem modelos importados maravilhosos como o Bugaboo, Quinny ou Strokke, este último é a Ferrari dos carrinhos de bebê disponível pela bagatela de U$1300,00. Mas sejamos realistas porque pagar essa quantia não é para qualquer mortal!!! Nos atentamos então aos modelos mais camaradas, eu diria...


Para começar a palavra de ordem é pesquisar!!! Use a internet a seu favor, converse com mães a respeito, e verifique os prós e contras de cada modelo, depois selecione alguns para uma aprofundada no conhecimento.


O segundo passo é fazer um test drive. Como assim, test drive se o bebê nem nasceu???kkk. É simples, vá à uma loja com a sua seleção de modelos e verifique os itens mais importantes: sistema de fechamento, peso, conforto e segurança, aliás esse item é fundamental. Dê preferência aos modelos com cinto de 5 pontos e certificados pelo INMETRO. Depois disso, acho que sua escolha se tornará mais fácil e com certeza o test drive te ajudará na decisão de compra.


Vamos aos tipos de carrinhos mais conhecidos:


- Travel System: é um conjunto de carrinho e bebê conforto que se encaixam perfeitamente, inclusive possuem a mesma padronagem de estampa. A vantagem é a versatilidade inicial no transporte dos pequenos, porém a medida que o bebê cresce, deixando de usar o bebe conforto e passando a utilizar a cadeirinha de carro, perde-se esta funcionalidade. Um dos modelos mais vendidos é o Cortina da Chicco, pelo preço médio de R$1700,00. 


Chicco Travel System


- Guarda-Chuva: básicos e compactos. Ideal para bebês maiores de 6 meses. Normalmente utilizado como segundo carrinho, indicado para viagens e passeios curtos. A revista VEJA fez uma matéria sobre esse tipo de carrinho avaliando alguns modelos, segue o resultado:



Modelo testado: MacLaren  (Quest Sport Navy Crimson)
País de origem: Inglaterra
Preço*: 700 reais
Peso: 7,2 quilos
Diâmetro da roda: 12 centímetros
Ao ser dobrado...
Largura: 24 centímetros
Comprimento: 1 metro
Teste
Na ladeira: é um dos mais fáceis de empurrar – mesmo em subidas íngremes
Na calçada: sacolejou um pouco durante o passeio, especialmente ao cruzar terrenos irregulares
Na hora de fechar: depois de adquirida alguma familiaridade com o sistema, fica fácil fechar o carrinho
Na mala do carro: é o que menos ocupa espaço no porta-malas
Comentário: o modelo reúne três qualidades relativas à praticidade: é leve, compacto e fácil de dobrar. Fica um pouco atrás de outros carrinhos testados no quesito conforto – e na performance sobre calçadas mais acidentadas

Modelo testado: Burigotto (Xtreme)
País de origem: Brasil
Preço: 350 reais
Peso: 6,8 quilos
Diâmetro da roda: 15 centímetros
Ao ser dobrado...
Largura: 26 centímetros
Comprimento: 1,04 metro
Teste
Na ladeira: o mais leve de todos, proporciona uma subida sem muito esforço
Na calçada: trepida um pouco, na mesma medida do MacLaren
Na hora de fechar: é tão fácil de ser dobrado quanto o carrinho MacLaren
Na mala do carro: não requer, como alguns dos modelos nestas páginas, muita força para ser levantado e alojado no bagageiro
Comentário: leve e menos volumoso do que a maioria dos carrinhos, segue a mesma linha do MacLaren, com uma ligeira desvantagem e uma vantagem fundamental em relação a ele: o acabamento é, sim, um pouco pior – mas o modelo sai pela metade do preço

                                                                                                                                                           
Modelo testado: Chicco  (CT 0.4 Stroller)
País de origem: Itália
Preço: 700 reais
Peso: 9 quilos
Diâmetro da roda: 19 centímetros
Ao ser dobrado...
Largura: 38 centímetros
Comprimento: 1,14 metro
Teste
Na ladeira: foi o que demandou mais esforço para chegar ao topo
Na calçada: demonstrou quase tanta estabilidade quanto o carrinho      Peg-Pérego – o de melhor desempenho nessa situação
Na hora de fechar: o que dificulta um pouco a tarefa é o fato de ser maior do que os outros
Na mala do carro: pesado e, de longe, o mais espaçoso, exige força física e jeito quando vai ao porta-malas
Comentário: ele tem o lado bom e o ruim de um carrinho de passeio de dimensões maiores: ganha em conforto, mas perde em praticidade – recomenda-se a quem cogita carregá-lo numa viagem pensar duas vezes 

Modelo testado: Peg-Pérego (Pliko P3 Clássico)
País de origem: Itália
Preço: 1 100 reais
Peso: 8,1 quilos
Diâmetro da roda: 17 centímetros
Ao ser dobrado...
Largura: 34 centímetros
Comprimento: 1,05 metro
Teste
Na ladeira: o peso do carrinho se faz sentir nas subidas mais acentuadas
Na calçada: foi o que melhor encarou os obstáculos ao longo do percurso
Na hora de fechar: é o mais fácil de ser dobrado. Ao contrário dos outros, exige apenas o uso das mãos, prescindindo dos pés
Na mala do carro: é mais penoso de ser colocado no porta-malas do que os modelos mais leves e compactos
Comentário: o mais caro entre os carrinhos avaliados, esse modelo compensa para pessoas cujo objetivo seja lançar-se em longos passeios. É quando a maior agilidade e o conforto se farão notar – e serão um diferencial relevante


- Carrinhos "Jogging": são os carrinhos com três rodas - triciclos. Desenvolvido especialmente para pais atletas que querem levar a cria junto. Possuem rodas grandes e se adaptam a qualquer terreno.

Jeep - modelo Overland Limited com direito até a conexão Ipod e MP3

Depois de muito pesquisar decidi pelo modelo Wave da First Years. Pra quem quer um produto similar que dá para comprar por aqui tem disponível o modelo Compass II da Lenox.


Eu gosto muito desse carrinho principalmente pelo conforto, mas tive que trocar de carro por conta dele...kkk. A base de alumínio, é extremamente leve, principalmente levando em conta seu tamanho. Não é necessário comprar o moisés separado porque a cadeira se reverte nele e vice versa de maneira prática, apenas com uma simples amarração. A cesta tem um tamanho excelente cabem inalador, roupas, coberta, muita coisa mesmo. Definitivamente o carrinho é um trambolho (mas não há dificuldades em abrir e fechá-lo), mas outro ponto negativo é que o carrinho não tem porta mamadeira. Por insistência das avós, tive que comprar um carrinho guarda-chuva simples para passeios rápidos. Mesmo assim estou satisfeita, levar a filhota dormindo num carrinho que parece caminha e proporcionar um sono de anjinho, não tem preço...kkk!!!

quinta-feira, 5 de julho de 2012

Porta Moedas

Deem uma olhada nessas fofuras e digam se não é um incentivo para ensinar os pequenos a economizarem juntando suas moedinhas???!!!

Misala Handmade

A dona de tanta criatividade é minha xará Michelle Chan!!! Que chique não, ela mora em Dubai...kkk. Mas dá para comprar os porta-moedinhas de bichinhos pela net no site do Etsy, sua "home shop" se chama Misala Handmade Bags and Purses.

Grupo Cria

Hoje fuçando pela internet achei um site muito interessante! O Grupo Cria, é um movimento em defesa da valorização da maternidade no Brasil, que pretende cumprir uma missão audaciosa: formar criadores de uma nova história (esse texto é a própria definição do grupo na "home" do endereço eletrônico).

A principal ação do site é a divulgação do Manifesto de Valorização da Maternidade. Achei muito digna a causa, e por isso decidi compartilhar a idéia. O manifesto na íntegra está no link http://www.grupocria.com.br/index.php/2010/06/manifestopelasmaes/, e merece seu apoio, para tanto basta assiná-lo!!

Manifesto - Grupo Cria

Quem ajuda e compartilha também é valorizado e tem seu site ou blog divulgado no site. Eu curti muito isso!!! Agora o Coisinhas da Cat também estará na lista....sempre por uma boa causa!!!

terça-feira, 3 de julho de 2012

Diário da Cat - 7º mês

A comemoração do mesversário deste mês foi especial porque o vovô usou, para combinar com o modelito da Cat, o kimono centenário da família Watanabe com direito a brasão e tudo. Essa é uma daquelas fotos memoráveis que ficará bem guardada como recordação para a vida toda.

Vovô e Cat de kimono!!!

Agora nada de tombo para sentar, e chega de bater a cabeça...kkkk. A Catarina fica sentadinha direitinho. E o bom disso é poder deixá-la explorando seus brinquedinhos.

E por falar em brinquedos e brincadeira, a farra da vez é brincar de se esconder com a pergunta clássica: "- Cadê a ...???". Tão bonitinho ela levantando a fralda ou qualquer tipo de pano para se cobrir e abaixar para te encontrar. Brincadeira boba mas que rende muitas gargalhadas!!!

Agora a dentadura começou a aparecer de vez, mais um mês, mais dois dentes, já que nasceram os incisivos centrais superiores. Achei que ela ficou mais chatinha, alguns dias sem dormir direito, mas sem febre ou diarréia. E para acrescentar ainda teve vacina neste mês, a contra Meningite C, então pudera, né?!

De vez em quando a Catarina estranha alguém...acho que ela está mais seletiva...kkk. Mas basta brincar um pouquinho que rapidinho ela esquece a cisma. E o contrário também, quando gosta levanta os bracinhos e pede colo.