quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

SORTEIO - 1º aniversário do blog e 10000 visitinhas

Ebaaaaa tem SORTEIO para comemorar o primeiro aniversário do blog Coisinhas da Cat e as mais de 10.000 visitinhas que tivemos desde nossa estréia!!!

O prêmio é uma mamadeira anti-cólica da Dr. Brown´s de 240 ml de boca larga e para completar ainda tem 2 bicos extras da fase 2 de 6+ meses.

Que presentão hein!!!kkk
Olha aí o prêmio do SORTEIO!!!
Regulamento

Vamos as regrinhas:
1. Curtir a fanpage Coisinhas da Cat
https://www.facebook.com/coisinhasdacat
2. Compartilhar em modo público o post com a divulgação do sorteio
3. Na fanpage, ir até a aba Promoções e participar
http://sorteie.me/facebook/compartilhar.php?id=153376 

O sorteio será realizado no dia 29/03/13 - 6a feira. O envio com o endereço  para entrega do premio fica sob responsabilidade do ganhador que terá 5 dias úteis para informar o mesmo. Caso contrário outro sorteio será feito!

Videos Incríveis: The power of words!!!

Vi este vídeo pela primeira vez no Facebook, e acho que este também merece ser compartilhado aqui no blog da Cat!!!



O trechinho de fala traduzido...

Cego: O que você escreveu?
Moça: Eu escrevi a mesma coisa, mas com palavras diferentes...
Cego: Obrigado!
Placa: Está um dia lindo, e eu não posso vê-lo.

O video encontra-se na página http://www.purplefeather.co.uk/services/online-videos-and-images

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Herpangina

Dizem que temos que tomar cuidado logo depois da criançada entrar na escola, porque as doenças aumentam, resfriados são frequentes, etc, etc, etc..., mas sinceramente eu não esperava ver a Catarina ficar doente logo depois da primeira semana de aula...kkk.

Relatei aqui como foi essa semana inesquecível, em resumo foi tudo bem tranquilo, mas se não leu é só dar uma olhadinha no post Diário da Cat: Primeiro Dia de Aula.

Sábado fomos a um casamento, Catarina estava extremamente "amorosa", querendo colo e deitando sobre os ombros, geralmente ela não é assim, aliás isso é contrário do seu perfil espoleta de ser!!! Olha aí o primeiro sinal...

Voltamos, coloquei-a para dormir, dormiu por algumas horas e acordou chorando. Na hora que eu a peguei no colo, o susto, estava quente, pegando fogo...

Acorda, acorda!!! Falei para o marido pedindo que ele pegasse um remedinho. Optei pela Dipirona, para ver se abaixava logo essa febre, e assim fiquei controlando a febre durante o domingo inteiro! A principio eu pensava que poderia ser: opção 1 - febre pelo nascimento dos dentes e pela babação exagerada, já que 4 caninos estavam nascendo juntos (depois de todos os dentes já nascidos que somam uns 10 - resolvi comprar aquela pomada Nenedent para ver se passava o desconforto, mas ela nem deixou eu chegar perto da boca..kkk), a opção 2 - febre decorrente de resfriado, já que tinha uma criança resfriada na escolinha, opção 3: opção 1 e 2 juntas...afff.

O fato era que ela estava por demasiado chorona. Tinha diminuído o apetite mas nada fora do comum. Um choro de incomodo, de dor, sei lá...que dó. Foi então que resolvi ligar para a pediatra dela, porque a Cat estava reclamando de alguma coisa que eu não sabia o que era....

Conversando com a Dra. Raquel, que me pediu para levá-la ao PS do Hospital Santa Catarina, já que estava de plantão por lá na noite de domingo. Disse que estava com um surto de faringite e depois que mencionei que na noite de sábado para domingo percebi a Catarina respirando um pouco ofegante a preocupação redobrou sobre a presença de chiado e o descontrole da asma.

Saí para o hospital, pedi para meu pai me levar de carro, porque meu digníssimo não dirige, e assim poderia ir com a Catarina no banco traseiro. Logo que saímos de casa, a Cat vomitou tudo: no babador, na roupa, na cadeirinha, no carro!!! Meu Deus quanto gorfo!!! A sorte é que a mãe prevenida tem sempre uma roupinha extra, mas essa mesma mãe só tinha pego uma fralda que não deu conta da limpeza, aí você pergunta: -Mas e os lenços umedecidos??? Poderiam ajudar a limpar... Pois é, agora a mãe esquecida deixou em casa...kkk. Tadinho do pai, saiu correndo na chuva para comprar um lencinho enquanto eu a trocava dentro do carro, imagina a situação...

Vou pular a parte do hospital e ir direto ao diagnóstico porque está ficando compridinha essa história...kkk.

O que a Cat tinha??? Herpangina. Esse foi o diagnóstico. Depois de ter contado toda a anamnese, a Dra. Raquel viu o ouvido que estava todo vermelhinho, e pimba...foi só ver a garganta para ter certeza. Várias aftas na garganta.

Segue um texto sobre o que é a doença que encontrei em http://br.guiainfantil.com/herpangina.html

A herpangina é uma doença que pode ocorrer com mais frequência na estação do verão, e se caracteriza por lesões vesiculosas e ulcerativas na boca das crianças, afetando o paladar (língua), a faringe, as amídalas, etc. A criança menor de 5 anos, poderá apresentar febre alta, vômitos, diarréia, dor de garganta e muita babação. É uma doença auto limitante que desaparece entre 2 a 7 dias, aproximadamente.

Causas da herpangina
Essa enfermidade é causada por vários tipos de vírus. Usualmente, a herpangina é produzida por uma linhagem particular de coxsackievirus A, mas também pode ser causada por coxsackievirus B ou echovirus. É mais comum em crianças. O diagnóstico é clínico e o período de incubação é de 2 a 7 dias.

Tratamento da herpangina
Embora a herpangina possa ser assintomática, os sintomas geralmente associados são febre alta e dor de garganta. O tratamento consiste no uso de antipirético, ingestão abundante de líquidos e alimentos leves, frios e doces como a gelatina, o iogurte, e os sorvetes. Os antibióticos são recomendáveis somente em caso de complicações do tipo bacteriano. Em todo caso, a assistência médica é que irá avaliar o quadro clínico da criança.

Fonte: http://keiji-hagiwara.blogspot.com.br/2011/06/herpanginamouth-blisters.html

O incomodo e o chororô da Cat era dor na garganta, tadinha, dor mesmo!!! As orientações foram administrar Ibuprofeno para dor e febre, apenas isso, porque conforme informado para crianças menores de 2 anos não se recomenda spray anestésico pela imaturidade do sistema de mastigação e deglutição. Evitar dar alimentos ácidos e quentes, e aumentar o consumo de liquido.

Embora tenha melhorado no quarto dia, a pediatra pediu afastamento da escola por uma semana. Ahhh....que peninha, Cat perdeu a festinha de carnaval da escolinha, mas mãe responsável é assim, não se pode colocar em risco todas as criancinhas por causa de uma fantasia!!!

Mas quem disse que não teve carnaval em casa???!!!  =)

Olha aí minha CHIQUINHA preferida!!!

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Técnica da Remoção Gentil de Pantley

Se o seu bebê está acordando a cada 1 ou 2 horas para ser amamentado ou tomar mamadeira, ou localizar a chupeta, você deve estar se perguntando o que exatamente está fazendo com que ele acorde com tanta freqüência. A realidade é que breves acordadas durante a noite é uma parte normal do sono humano, independente da idade. Todos os bebês experimentam isso. A diferença em relação ao seu bebê, que exige cuidados noturnos a cada 1 hora ou 2, é que ele está envolvendo você em todos os momentos em que seu sono fica mais leve.

Seu bebê está fazendo uma "associação para o sono", quando relaciona certas coisas com o momento de adormecer e acredita que precisa dessas coisas para conseguir dormir. O meu bebê, Coleton, levava muito tempo em seus primeiros meses nos meus braços, com sua cabecinha subindo e descendo ao ritmo do teclado do meu computador. Desde o primeiro momento em que nasceu, ele dormia ao meu lado, sendo alimentado para dormir a cada cochilo ou durante a noite. Quando percebi, ele estava com 12 meses, e total e firmemente agarrado a uma associação de "amamentação-para-poder-dormir".

O seu bebê, como o meu Coleton, aprendeu a associar o ato de sugar (tendo o seu bico ou a mamadeira ou a chupeta em sua boca) com o ato de dormir. Eu ouvi um sem-número de especialistas do sono se referir a isso como "associação negativa para o sono". Eu e meu bebê certamente discordamos! Esta é provavelmente a mais positiva, natural, e prazeirosa associação para dormir que o bebê pode fazer. O problema com esta associação não é associação em si, mas a nossa vida tão atarefada. Se você não tivesse mais nada a fazer além de cuidar do seu bebê, esta seria uma forma muito gostosa de passar os dias e noites até que seu bebê superasse essa necessidade. Afinal de contas, isso é natural. Você talvez nem veja isso como um problema, porque aliás não é. É tudo uma questão de percepção e de suas necessidades pessoais.

Entretanto, em nosso mundo, poucos pais podem se dar ao luxo de colocar tudo de lado até que os bebês cresçam. Com isso em mente, eu vou sugerir algumas idéias para que você possa gradualmente, e com amor, ajudar o seu bebê a aprender a adormecer sem essa poderosa ajuda.

Para seguir os passos de mudar a associação para dormir do seu bebê, você vai precisar complicar um pouco as noites, mas no final da jornada você pode conseguir que ele não precise mais da chupeta, da mamadeira ou do seu seio como sua única associação para a hora da cama. Em outras palavras, prepare-se para interromper suas próprias noites por um período em troca de conseguir mudanças importantes, valiosas e de longo prazo.


O plano de Remoção Gentil de Pantley

Quando seu bebê acordar, vá em frente e lhe dê a chupeta ou a mamadeira, ou o amamente. Mas, em lugar de resolver tudo e voltar para a cama ou deixar que ele adormeça no peito, deixe-o sugar por alguns minutos até que o ritmo diminua e ele comece a relaxar para dormir. E então interrompa a sucção com o dedo e gentilmente retire a chupeta ou o bico.

Quase sempre, e especialmente nas primeiras vezes, o seu bebê vai se assustar e se voltar para o bico. Tente muito gentilmente manter sua boquinha fechada, colocando seu dedo sob o queixo do bebê, mantendo uma pequena pressão, ao mesmo tempo em que o vai acalentando ou ninando. Se ele lutar contra isso e chorar pedindo por você ou a mamadeira ou a chupeta, vá em frente e dê a ele o que ele quer (chupeta, mamadeira ou o peito), mas repita o processo tantas vezes quanto seja necessário até que ele adormeça.

Quanto tempo devo esperar até retirar a chupeta, bico ou mamadeira? Cada bebê é diferente, mas cerca de 10 a 60 segundos entre as retiradas normalmente funciona. Você também deve observar o ato de sugar do seu bebê. Se o bebê suga com força ou engole regularmente quando está sendo alimentado, espere mais alguns minutos até que ele diminua o ritmo. Normalmente após o primeiro impulso de atividade, seu bebê vai diminuir para um ritmo mais relaxado, e mais "trêmulo"; esta é uma boa hora para começar a técnica da Remoção Gentil.

Isso pode levar de duas a dez (ou até mais) tentativas, mas eventualmente o seu bebê vai adormecer sem a chupeta ou o bico em sua boca. Quando isso acontecer um número de vezes por um período de dias, você vai notar que a técnica da remoção vai ficar muito mais fácil, e as acordadas durante a noite serão menos freqüentes.

"Nós chamamos isso de "the Big PPO (Pantley-Pull-Off)" [o Grande Puxão de Pantley]. No começo Joshua pressentia que ia contecer e agarrava meu bico com força por antecipação - ai! Mas você disse para persistir, e eu fiz. Agora ele pressente o PPO e na realidade deixa acontecer e se vira de lado e vai dormir! Eu estou verdadeiramente impressionada." - Shannon, mãe de Joshua, de 16 meses

Se o seu bebê não dorme bem durante o dia, não se preocupe em utilizar a Remoção Gentil para os cochilos durante o dia. Lembre-se que cochilos regulares significam melhores noites de sono - e melhores noites de sono significam melhores cochilos diurnos. Só quando seu bebê começar a dormir melhor durante a noite, você deve então trabalhar em relação aos cochilos do dia.

A melhor hora para usar o Plano de Remoção Gentil de Pantley é o primeiro adormecer da noite. Geralmente o modo como seu bebê adormece vai afetar o resto de suas acordadas pela noite. Eu suspeito disso por causa da associação para o sono que expliquei antes. Parece que a forma como o bebê adormece é como ele espera ficar por toda a noite.


Pare de alimentar um bebê adormecido

Eu sou uma seguidora da regra de "nunca deixar o bebê chorando", e levei isso muito a sério. O que eu não entendi, embora, é que os bebês produzem sons enquanto dormem. E esses sons não significam que o bebê precisa de você. Os bebês gemem, grunhem, fungam, resmungam e até choram enquanto dormem. E podem até mesmo ser alimentados sem acordarem.

O próximo passo para ajudar seu bebê a dormir por períodos maiores é determinar a diferença entre os barulhos do sono e o choro de quem está acordado. Quando ouvir um barulho: Pare. Ouça. Espere. Olhe. Quando ouvir atentamente os barulhos do bebê, e observar, você vai aprender a diferença entre os ruídos do sono e os ruídos do tipo "Estou acordando e preciso de você agora".

"Noite passada eu o estava alimentando e retirei o bico e coloquei o dedo em seu queixo. Eu estava pensando, "Isso nunca vai funcionar; ele vai ficar louco!" - mas funcionou, e ele foi dormir! O outro truque também está funcionando. Quando eu o retiro do peito e deito de lado, ele pensa que estou dormindo, e vai dormir também! - Carol, mãe de Ben, de 9 meses


Mudando a sua rotina

Geralmente nós temos uma rotina que temos seguido com nosso bebê desde o nascimento. O passo final antes de dormir é sempre amamentar ou dar uma mamadeira. Alguns bebês continuam com este padrão e ainda dormem durante a noite. Outros, entretanto, precisam de uma mudança nesse último passo antes de conseguirem dormir a noite toda.

O que você deve fazer é dar uma olhada objetiva em seus passos finais da rotina de colocar o bebê para dormir e fazer algumas mudanças, se necessário. Você pode usar massagem, carinhos ou músicas de ninar para ajudar seu bebê a adormecer. Eventualmente estes passos vão substituir a mamada ou a mamadeira, e aos poucos os dois ficarão mais suaves, e seu bebê vai estar dormindo por períodos mais longos.

"Eu mudei a forma de colocar Carlene para dormir, e está funcionando! Em vez de alimentá-la até dormir, eu só a amamento até que fique relaxada e depois deixo que faça o que quiser no quarto em penumbra comigo. Quando ela esfrega os olhinhos e parece com sono, eu a coloco em seu berço. Eu fico lá, ao lado do berço, incentivando-a a dormir. Eu digo, 'Shhhhh, está na hora de dormir, feche os olhinhos, garotinha sonolenta', e digo a ela que vai ser bom dormir. Eu acaricio sua cabeça ou sua barriga. Ela fecha os olhos bem na hora em que faço isso. Está sendo uma grande novidade." - Rene, mãe de Carlene, de 7 meses


Paciência, paciência, e um pouco mais de paciência

Respire fundo e repita comigo: "Isso tudo vai passar". Você está no meio do furacão agora, e está difícil. Tenha em mente que a aparente falta de habilidade do seu bebê em dormir sozinho não é culpa dele. Ele vem fazendo as coisas dessa maneira desde que nasceu, e ficaria completamente feliz em manter tudo como está. Seu objetivo de ajudá-lo a se sentir amado e seguro enquanto descobre formas de adormecer sem precisar de você - sem que você caia na tentação de deixá-lo chorando sozinho no escuro - é admirável. Você tem estas melhores intenções em seu coração. Seja paciente, siga as sugestões para ajudar seu bebê, e quando menos esperar, ele estará dormindo como um anjinho. E você também. Então suas preocupações vão se voltar para a próxima fase desta magnífica, desafiante e recompensadora experiência que chamamos de maternidade/paternidade.

Retirado do livro "Soluções para Noites Sem Choro", de Elizabeth Pantley

Técnica do Dr. Jay

Plano do Dr. Jay Gordon: mudando o padrão de sono na cama familiar por Soluções para Noites sem Choro

Será bem difícil achar uma pessoa que apóia a cama familiar (pais e crianças dormindo junto) como eu sou. Ainda assim, já recebi muitos e-mails comentando que há partes desse “plano” que podem ser facilmente mal-entendidas como sendo simplesmente outra versão de “treinamento de sono” para bebês novinhos. Não é suposto ser isso, pelo contrario é bem diferente.

Aqui está o que eu realmente quero fazer: quero oferecer uma alternativa aos métodos de Ferber, Weisbluth e Tracy Hogg. Eu não quero ver as minhas idéias aplicadas em um bebê de 4 meses ou até mesmo de 7 meses. Para falar a verdade, eu não incentivo nenhum “plano” para bebês menores de 1 ano. Essas idéias são, então, para serem aplicadas em bebês maiores de 1 ano.

Antes de proceder, deixe-me expressar a minha preocupação prioritária: Bebês ficam melhores quando respondemos a todas as suas questões da melhor maneira e atendemos às suas necessidades do melhor jeito que podemos.

A maioria das famílias que eu atendo em meu consultório pediátrico dormem na “cama de família”.
Seus bebês tendem a ser amamentados por mais de 1 ano e eles não dormem a noite toda melhor que a maioria de nós se  dormíssemos pertinho do melhor restaurante da cidade e soubéssemos que está aberto 24 horas/dia.

Esse arranjo não é somente adequado e tolerável, mas na verdade para muitas mães é mais fácil, pois elas podem simplesmente amamentar os bebês deitadas mesmo e voltar a dormir, ao invés de ter que levantar para amamentar, ou ainda, recusar a amamentar e por o seu bebê de volta a dormir de alguma outra forma.

Muitos pais continuam esse esquema no primeiro ano, no segundo ano de vida da criança ou até mais, mas alguns preferem mudar pois estão muito cansados.

O que é mais triste de tudo: algumas mães e pais acham que o desmame total é o melhor jeito de conseguir mais sono. Eles preferem não considerar o desmame noturno apenas como uma boa opção ao invés do desmame total.

Existem dezenas de livros e artigos de revistas que implicam que existem algumas maneiras rápidas e fáceis de conseguir que o bebê durma a noite toda sem ser mamar. Eu ainda não li um desses sequer que diga a verdade completa aos pais.

Não é fácil, raramente é rápido e geralmente é bem barulhento e  quebra o coração por algumas noites… ou mais. Eu já vi muitas famílias que precisavam de ajuda e foram oferecidas opções de que não gostaram nada.

Eu tenho uma alternativa melhor ao desmame total ou método do choro. Bebês acordam para a melhor interação com suas mamães, mamar para voltar a dormir. Oferece-se um pouco menos que isso por algumas noites, então um pouco menos ainda e assim por diante, uma modificação gentil de comportamento irá guiá-los a entender que não vale a pena “bater na porta do restáurante fechado”.

Eu não recomendo nenhuma modificação forçada no sono durante o primeiro ano de vida. Provavelmente, a única exceção a isso seria uma emergência envolvendo a saúde de uma mãe que amamenta. Existem muitas sugestões em livros e revistas que pressionam o “dormir a noite toda” durante os primeiros meses de vida do bebê. Eu não acho que essa é a melhor coisa a se fazer e estou muito certo que quanto mais cedo um bebê recebe o tratamento de “não-resposta” de seus pais, maior a chance de que ele irá se fechar, ao menos um pouco.

Não me entenda mal. Gosto muito da cama familiar, o desmame guiado pela criança, e muitos carinhos noturnos no primeiro, segundo, terceiro ano ou mais se está funcionando bem e se a família está se dando bem com o esquema. Não deixe ninguém te convencer que é uma escolha que vai prejudicar a criança ou que ela “nunca vai sair” da sua cama se você não fizer agora. Não acredite em ninguém que diga que o bebê que recebe muitos carinhos e mama de noite “nunca” vai aprender a dormir sozinho ou se tornará dependente. Isso simplesmente não é verdade, mas vende livros e por isso esses mitos continuam em nossa cultura.

Algumas mães simplesmente não querem continuar fazendo isso após alguns meses ou anos e deveria existir uma terceira escolha do que “viver com isso” ou o “método do choro”. Novamente, eu quero dizer que apoio a cama familiar e a amamentação durante a noite por um longo tempo e até estimulo alguns pais a continuarem por um pouquinho mais. Mas eu também tenho que mudar rumo de meus conselhos e apoiar famílias que precisam de mudanças a prosseguirem com as mesmas, mesmo sendo decisões difíceis algumas vezes.

O que recomendo para bebês maiores de 1 ano:
Escolha as 7 horas mais valiosas de sono para você. Eu pessoalmente prefiro de 23h00 às 6 da manhã, mas você pode ter uma preferência diferente.

Mude as regras durante essas horas e não se preocupe porque um bebê que teve todo esse carinho e sabe que pode contar com os pais durante todo o tempo tem uma personalidade formada no sentido de que vai aguentar essa mudança de regras. Ou seja, vai continuar tendo tudo o quer o tempo todo… oops, “quase” o tempo todo.

Esse é o conceito que queremos mostrar ao bebê: “quase”. Se pudéssemos explicar a ele que “mamães e papais cansados levam seus filhos ao parque, zoológico, playground menos do que mamães e papais descansados”... Se essa explicação pudesse fazer sentido às crianças por volta do terceiro aniversario ou antes (mas não faz!!) eles iriam simplesmente virar-se para o lado e dizer: “Te vejo de manhã”, e deixar-nos dormir o quanto quiséssemos.

Eu tento fazer esse plano em intervalos de 3 e 4 noites.
Estou assumindo que você tem um bebê maravilhoso, saudável, de 12, 15, 20 ou 30 meses, que ainda adora acordar de noite a cada 2-4 horas para mamar, carinho, ninar, ou o que seja. Estou assumindo que você pensou muito nisso tudo, decidiu que quer fazer modificações no esquema familiar.

Estou assumindo que ambos, pai e mãe concordam que esta é a melhor opção. E, mais importante, que você está disposta a ir em linha reta no caminho das 7 horas de sono.

A razão dessa ultima afirmação: se o seu bebê aprender que se chorar, se contorcer, etc., por 1 hora vai conseguir que você o amamente, você estará  regredindo no seu plano. Esse é o melhor programa que já vi mas é muito distante de ser fácil. E agora, vou dizer novamente: gosto realmente do que você tem feito, muitos carinhos e amamentação durante a noite. Não mude isso com meu programa ou qualquer outro se você está feliz fazendo dessa forma. Mas….

As primeiras 3 noites
A qualquer hora antes das 23h00, (incluindo 22h58) ofereça o peito para dormir, nine-o e faça o mesmo quando ele acordar, mas pare de oferecer o peito como solução quando ele acordar após as 23h00. Ao invés….

Quando seu bebê acordar à meia-noite ou qualquer outra hora após 23h00, abrace-o, amamente por um período curto, mas não o deixe adormecer mamando, e ponha-o na cama acordado. Massageie um pouco suas costas e abrace-o um pouco até que ele durma, mas não o ponha de volta no peito (ou uma mamadeira se esse for o caso). Ele precisa adormecer com seu conforto ao lado, mas sem ter que mamar para adormecer completamente.

Agora, ele irá te dizer que está com raiva, furioso, e detesta essa nova rotina. Eu acredito nele. Ele também tentará te dizer que está assustado. Eu acredito que ele esteja zangado, mas um bebê que teve centenas de noites seguidas de carinhos não está com medo de adormecer com sua mão em suas costas e sua voz suave em seu ouvido. Zangado, sim, assustado, não realmente. Durante essas 3 primeiras noites, repita esse padrão somente depois que ele tiver adormecido. Ele poderá dormir por 15 minutos ou 4 horas, mas para ser amamentado novamente tem que dormir e acordar de novo.

Essas noites serão difíceis.
Você poderá decidir que não está realmente preparada para tudo isso. OK, pare. Pare e comece de novo em alguns meses se preferir. Escolher o momento certo é crucial! Muitas pessoas escolhem esse momento baseado ou pressionado por amigos, pediatras, parentes, ou livros. Isso não funciona bem.

É melhor fazer esse plano na cama familiar, num bercinho no mesmo quarto ou usando um berço em outro quarto? Eu prefiro continuar com a cama familiar mesmo que pareça mais difícil no começo, mas sempre me pareceu mais difícil colocar o bebê dentro e fora do berço. Entretanto, se um berço ou uma cama de criança em seu quarto lhe parecer a melhor opção, vá em frente. Outra opção é expandir os limites de sua cama colocando outro colchão próximo ao seu. Um pouco mais de espaço para cada membro da família pode resolver alguns dos problemas de sono.

Minha opção menos favorita é um berço ou cama em outro quarto.
Novamente, durante essas três primeiras noites, entre 23 horas e 6 horas da manhã, abrace-o, amamente por um período curto de tempo, ponha-o na cama acordado, massageie as costas, fale com ele até que ele volte a dormir e repita esse ciclo somente após ele ter dormido e acordado novamente. As 06h01 faça o que for que você esteve fazendo, ignorando o padrão das 7 horas prévias.

Muitos bebês irão rolar, mamar, e voltar a dormir e te darão mais uma hora extra de sono, mas alguns não irão.

Para mim, uma das partes mais asseguradoras desse plano de sono é que os bebês acordam bem, felizes e sem ressentimentos sobre as mudanças nas regras. Você verá o que quero dizer, ainda que os primeiro minutos da manhã não sejam exatamente o que sempre tem sido.

As próximas 3 noites
Novamente, amamentar para dormir ate as 23h00. Quando ele acordar depois disso, abrace-o, aconchegue-se com ele por alguns minutos, mas não o amamente, e ponha-o para dormir acordado.

Colocá-lo na cama acordado é parte importante do plano como um esforço para ensiná-lo a pegar no sono com menos e menos contato. Não amamentar é uma grande mudança nessas 3 noites. Bebês de 1 ano podem facilmente ficar 7 horas (ou mais) sem calorias. Eles gostam de mamar um pouco durante a noite, mas fisiologicamente e nutricionalmente não é um longo tempo para ficar sem alimento.

As próximas 3 noites
Novamente, amamentar para dormir para as 11 p.m. Quando ele acordar, abrace-o, aconchegue-se com ele por alguns minutos, mas não amamente-o, e ponha-o para dormir acordado.
Coloca-lo na cama acordado ‘e parte importante do plano como um esforço para ensina-lo a pegar no sono com menos e menos contato. Não amamentar é uma grande mudança nessas 3 noites. Bebes de 1 ano podem facilmente ficar 7 horas (ou mais) sem calorias. Eles gostam de mamar um pouco durante a noite, mas fisiologicamente e nutricionalmente não é um longo tempo para ficar sem alimento.

Se eu pudesse acordar a minha esposa algumas vezes durante a noite, pedir-lhe para fazer um suco de laranja fresco (minha bebida favorita), e massagear as minhas costas para dormir enquanto eu bebo o suco, eu não escolheria desistir dessa rotina voluntariamente. Minha esposa pode ter uma ideia diferente e ficar cansada disso tudo rapidamente. Bebês raramente desistem de seus padrões e coisas favoritas- de dia ou de noite - sem hesitar e chorar.

Eu realmente não gosto de ouvir bebês chorando. Na verdade, eu detesto ouvir bebês chorando. Diferente deles, porém, nós adultos podemos entender as implicações e efeitos da falta de sono para uma família de 3, 4 ou mais pessoas. Padrões de sono algumas vezes têm que ser mudados. A segurança incrível que a cama familiar tem providenciado supre o melhor contexto e localização para essas mudanças.

Durante essas próximas 3 noites, alguns bebês vão chorar e protestar por 10 minutos enquanto outros vão chorar por 1 hora ou mais. Seu filho tem consciência de que você está lá do seu lado, oferecendo conforto e tranqüilidade. Somente não é a maneira de conforto que ele quer no momento. É difícil ouvi-lo chorar, mas vai funcionar. Eu acredito que ele é um bebê bem-amado, após 1 ano ou mais na cama familiar, e no final ele será o beneficiário dos pais terem noites melhores de sono.

“Sim, pelos últimos meses nós estivemos votando 1 a 2” – não democraticamente, a favor do…. bebê. Quem quer levantar a noite toda, amamentar, andar para cima e pra baixo com o bebê, ficar realmente cansado no dia seguinte e no dia seguinte também? Bem, o voto é 1 a 2 a favor do bebê.”

Agora, o que estamos falando é: nós iremos algumas vezes votar 2 a 1 a favor da família do bebê. Esse conceito “família do bebê” pode ser abominável ao que se considera o Rei da Inglaterra, ou Imperador do Universo, mas nosso conhecimento de que ele tem esse sentimento nos permite demolir o ditador com confiança a um cargo de membro de respeito da família. Sua família.

No final da sexta noite, seu bebê vai voltar a dormir sem mamar. Ele vai dormir após um abraço gostoso, com a sua mão em suas costas e suas palavras em seu ouvido.

Se, em qualquer ponto esse plano parece “errado” para você, pare, espere alguns meses e comece de novo mais tarde. Não  vá contra seus instintos que estão te dizendo que isso não é a coisa certa a se fazer para ajudar seu bebê a dormir. Seus instintos são melhores que qualquer programa de modificação de sono jamais escrito no mundo.

As próximas 4 noites
Noites 7, 8, 9 e 10. Não o pegue, não o abrace. Quando ele acordar após às 23h00, fale com ele, toque-o, fale mais um pouco, mas não o pegue no colo. Esfregue as costas somente. Não o amamente, obviamente. Ele voltará a dormir. Repita a massagem nas costas e fale com ele se acordar novamente. No fim da nona noite, ele estará voltando a dormir, embora com muita relutância para alguns bebês, com somente uma massagem e a voz calma da mãe.

Depois dessas primeiras dez noites, continue com carinhos e amamentar para dormir se você gosta e ele quer, mas não faça nada quando ele acordar no meio da noite, exceto tocar um pouco e falar com ele brevemente. Isso pode continuar por mais 3-4 noites, em alguns casos até por uma semana ou mais. Então… para. Ele aprendeu que é amado, tem na pratica tudo que precisa e quer durante o dia todo, mas tem que dar aos seus pais 7-8 horas de sono em retorno.

O que acontecerá se você viajar, ele ficar doente ou outra circunstancia que exija um retorno a mais interação noturna? Nada. Você faz o que precisa ser feito (carinho, dar de mamar, andar, ninar, quantas vezes for necessário) e então passa 1, 2 ou 3 noites voltando ao novo padrão que a família tinha estabelecido. O bebê já conhece o processo e vai reagir a isso muito mais rápido que da primeira vez.

A propósito, “pague” o bebê. Tenha certeza que ele realmente receba bastante em beneficio pela boa noite de sono. Vá ao parque com mais freqüência, faça todas as coisas que você falou que faria se dormisse melhor. Explique a ele conforme você está fazendo. Ele irá entender e ficara bem com tudo isso.


Este artigo pode ser lido original em ingles no site:
http://drjaygordon.com/attachment/sleeppattern.html

Soluções para noite sem choro!!!

Foram noites e noites em claro, umas com 1 acordada, outras com 2 e cheguei até a contar 5 acordadas por noite!!! É mole??? Li diversas teorias do sono, principalmente as da Encantadora de Bebes - Tracy Hogg, mas nada estava funcionando, e essa também efetivamente não funcionou!!!

Pra quem teve noites inteiras de sono dormidas quando a Cat tinha apenas 2 meses e que duraram apenas outros 4 meses, era difícil de acreditar que alguma coisa mudara em sua rotina para que houvesse tantos despertares noturnos.

Conheci pela internet essa fan page Soluções para Noites sem Choro, depois de 8 meses sem dormir e chegar ao limite do cansaço!!!

Escrevi meu problema a simpática e prestativa Bel, contando a rotina diária da Cat para ver se ela poderia me dar "aquela luz no fim do túnel"...kkk

Eis nosso diálogo:
O que você me recomenda para a Catarina 1 ano e 4 meses???
Catarina dormia desde 2,5 mês até os 6 meses a noite inteira (21h-6h). A partir de alguns resfriados e uma bronquiolite/asma prolongada (creio eu), passou a acordar durante a madrugada. Antes ninava, dava mama e tentava colocá-la para dormir de novo. Depois de muita leitura, mudança de hábito, hoje eu não a pego mais no colo quando acorda, atendo seu choro mas a deixo no berço e sento ao seu lado (sem amamentá-la), acalmando com shhhhh e permaneço no quarto até que ela adormeça. Isso acontece de 1 a 3x por noite, as vezes segue padrão de horário  as vezes não, na maioria das vezes ela não demora muito a dormir. Quando cansada peço ao meu marido ir ao quarto dela, porém quando o vê o choro aumenta, ela não o aceita e fica chamando por mim, e acabo indo lá ao quarto dela. De manha ela fica com minha sogra e costuma tirar uma soneca de 30 min antes do almoço (13h), de tarde ela fica com minha mãe num ambiente bem mais calmo e tira soneca de 2h (entre as 14h-17h), janta as 18h, banho, mama e vai dormir as 21h. Por orientação da pediatra, dou mais uma mamada quando vou dormir (para não amamentá-la de madrugada) por volta das 22h30-23h, na tentativa dela não acordar num espaço curto de tempo, porém ainda não tem funcionado! Alguma sugestão...
Obrigadissima, Michelle

Em resposta....

Michelle, aqui nessa comunidade somos totalmente contrários a treinamentos do sono. Somos a favor da livre demanda, do contato físico entre mãe e bebê, de ninar, afagar, etc. Se você quiser seguir os nossos conselhos dentro da nossa linha, eu te ajudo. Mas você teria que mudar muitas coisas. Só te deixo com um trecho do livro de medicina The Science of Parenting, para você refletir:
A proximidade com o corpo da mãe sintoniza as pautas de sono do bebê com as da mãe e regula:
- o seu nível de excitação
- a temperatura do seu corpo
- o seu ritmo metabólico
- os seus níveis hormonais
- a produção de enzimas (incrementa o poder dos anticorpos do sistema infantil e, portanto, sua capacidade de combater as doenças)
- o seu ritmo cardíaco
- sua respiração
- o seu sistema imunológico (o efeito anti-estresse do estreito contato físico libera ocitocina, que fortalece o sistema imunológico do bebê)
O livro repete várias vezes que bebês e crianças pequenas são incapazes de conseguir um estado de bem-estar sozinhos.

Texto recomendado!!!

https://www.facebook.com/notes/solu%C3%A7%C3%B5es-para-noites-sem-choro/educando-os-especialistas-li%C3%A7%C3%A3o-n%C3%BAmero-3-o-toque/276783332346083

Réplica...
Li todo o texto que me recomendou, realmente acho que o toque é uma das linguagens mais eficientes entre pais e filhos, porém nunca tinha pensado dessa maneira em relação ao tratamento do sono. Confesso que o desespero em tentar o meu bem estar em dormir 8 horas ininterruptas é o causador de tantas tentativas em tantos outros métodos de fazê-lá dormir a noite inteira. Gostaria sim, de seus conselhos e experiência para fazer desse processo o mais humano e amoroso possível. Outra duvida latente é como proceder no desmame. Embora ache que amamentarei até ela completar 2 anos, e portanto, ainda terei esse prazer por mais 8 meses, ela ainda é muito dependente, e sempre pede... mamãe, mama!!!
Obrigadíssima, pela atenção e pela comunidade sempre disposta a ajudar as mamães. (Essa parte fica para outro post...DESMAME)

Bel...
Quanto ao sono dela. Acho que a primeira coisa que você precisa trabalhar é sua expectativa. Porque bebês e crianças pequenas não são auto-suficientes na questão de sono, nem fisiologicamente nem psicologicamente. Fisiologicamente, eles não são capazes de adormecer nem voltar a dormir sozinhos, eles não tem essa auto-suficiência.

Mais textos: 

Além disso, entre os 12 e os 24 meses, as crianças tem vários saltos de desenvolvimento, aprendem muitas habilidades, e isso costuma impactar o sono noturno também. Uma característica desses saltos de desenvolvimento é acordar de noite para brincar. Eu perdi a conta de quantas vezes minha filha teve noites assim com essa idade, Márcia. Menos mal que ela dormia do meu ladinho e eu nem tinha que levantar.


Um engano muito comum é achar que os bebês e crianças pequenas acordam só por fome. Por isso surgem tantos desmames precoces e desnecessários, afinal, se o bebê acorda muito é porque o leite não "sustenta". E também por isso essa sua tentativa, que você já viu que não adianta, de dar de mamar no horário que você quiser. Os bebês tem muitos tipos de necessidades, inclusive psicológicas. Na história da humanidade, um bebê dormir separado da mãe é algo muito recente e exclusivo de algumas sociedades industrializadas. Os bebês humanos, assim como os filhotes de mamíferos, sempre dormem melhor se junto de suas mães e, na minha opinião, esse afastamento é o principal causador de tantos "transtornos" do sono. O comportamento do bebê, que acorda precisando ser aconchegado, é normal e esperado. O que não é normal, de um ponto de vista biológico, é dormir afastado da sua cuidadora. 


Michelle...
Acho que realmente é o destino, justamente HOJE quando abro o face e vejo suas mensagens, na noite passada a Cat (Catarina) dormiu a noite inteira das 22h às 5h40...depois de meses, aliás 8 meses!!! Só espero que ela tenha gostado disso...kkk. Depois de ler seus textos percebi que ontem, ou melhor há alguns dias tenho aplicado sem saber o método Remoção Gentil de Pantley. Também vi que meu maior erro pelo plano do Dr. Jay, é quando ela acorda de madrugada querendo mamar e eu tentava fazê-la dormir principamente chorando sem acariciar e acalmá-la. 


No post seguinte transcrevo a nota traduzida pela Bel da técnica do Dr. Jay...

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Diário da Cat: Primeiro Dia de Aula

Decidimos dar um alívio para as "velhinhas" que também atendem pelo substantivo vó, e matriculamos a Catarina na escola Esquilinho Feliz.

Fui na escolinha em novembro, porque já conhecia a fama da mesma, por ser uma das melhores escolas do bairro e sendo assim super concorrida!!! A escolinha é uma graça, super limpa, com administração familiar e  com ótimas referências de outras mães.

Liguei lá, e perguntei o horário de visitação, a moça que me atendeu disse que poderia ir em qualquer horário. Sendo assim, peguei minha mãe com quase 20 anos de experiencia pedagógica sendo professora infantil para verificar as instalações e o tratamento dado as crianças e lá fomos nós...

Apertei a campainha e nada, de novo e nada, até que uma moradora do bairro me disse estar batendo no portão errado, que era para eu ir na rua ao lado que era lá que eles atendiam. Ok...

Finalmente fomos atendidas, e para minha surpresa  a "tia" não me deixou entrar para conhecer a escolinha. Pensem numa pessoa irada!!! Esta era eu ali, em pé, argumentando com a professora de que tinha ligado e nenhuma orientação foi passada referente ao horário. Ela alegou estar aprontando as crianças para saída, que este momento era um pouco tumultuado e que por isso não poderia me dar a atenção necessária. Retruquei seus argumentos e pedi para ela entender que não tinha outro horário para retorno, que eles portanto tinham que pensar em contratar uma pessoa já que não tinham ninguém disponível. Ficou um climão no ar...

Resolvi voltar no dia seguinte, porque escolher outra escola não estava em meus planos. Desta vez, além da minha mãe decidi levar a Catarina junto. Fui super bem atendida, ouvi um pedido de desculpas e por fim nos acertamos. Enquanto visitava a escola e fazia a matricula, a Cat ficou se ambientando, já se juntou com um menininho para brincar, a tia Lu ficou incentivando-a a andar e quando fomos embora a Cat resmungou porque não queria ir. Bom sinal....???

Como a Cat, nunca tinha frequentado uma escola, ela fez o processo de adaptação logo no final de janeiro, uma semana antes de começarem as aulas pra valer. Matriculei-a apenas para frequentar meio-período entrando as 08h e saindo as 12h. A escola também oferece o transporte, que também foi contratado.

No primeiro dia, por orientação da tia Juliana, fomos de carro. Foi bem, chegamos eu, minha sogra e a Cat, e logo ela foi brincar com os amiguinhos. Poucas vezes nos procurou. Logo teve a hora do lanche. Tinha colocado na lancheira: uma banana, um danoninho e suco na garrafa térmica com um copo de treinamento junto. Aiiiii que orgulho!!! Foi bonitinha sentar sozinha para comer. É claro que as tias ajudam nas refeições. A banana ela comeu com as maozinhas, e o danoninho a tia ajudou dando as colheradas em sua boca. Vi que essa hora não tem essa, cada um pega a comida do outro...kkk, principalmente bolachas e biscoitos. Minha filha foi a última a sair da cozinha, a bichinha é boca boa mesmo!!! Voltou as brincadeiras e depois de um tempinho fomos embora de carro. Como voltou cansada...

Por dois dias foi assim nesta mesma rotina....levava ficava um pouco e iámos embora. Na quarta-feira, ela ficou um me procurando, mas para não regredir na adaptação resolvi ir embora e buscá-la mais tarde. Tudo tranquilo. Quinta e sexta-feira para verificar como ela se comportaria na perua resolvi levá-la e deixar a perua trazê-la, teve um chororô mas nada preocupante.

Cat na Escolinha
Hora do Lanchinho

E o que eu achei dessa semana...???

É claro que cada criança age diferentemente umas das outras, umas estão mais acostumadas com contato de pessoas estranhas, outras convivem apenas com seus cuidadores. Catarina está num meio termo, embora seja cuidada pelas avós, ela é uma criança muito sociável, sempre se relaciona com pessoas estranhas a medida em que passeia pelo condomínio, na maioria das vezes as pessoas nos conhecem e sempre a chamam pelo nome, muito além de papo de elevador. Fora isso há também o lado comportamental da criança, ser ou não tímida, extrovertida, introverdida, blábláblá. O fato é que a ansiedade é muito, mas muito mais dos pais do que dos filhos. Dizer que os filhos estão "sofrendo" porque choram é tão inoportuno quase um desaforo (a não ser que o choro seja resposta de maus tratos)... Isso não quer dizer que não me importo com os sentimentos dos pequenos, claro que não, sofrer é muito além de simplesmente estar incomodado com a nova situação, o choro é apenas a expressão do medo pelo novo, da separação. Portanto, não se sinta culpada por isso. Dizem que sou uma pessoa desapegada, não levo isso como critica embora as vezes soe parecer com desamor ou despreocupação. Tenho bem definida essa palavra no meu vocabulário. Acho que ser assim faz eu educar minha filha PARA A VIDA!!!

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Videos Incríveis: Perestroika - Escola de Mães

Fuçando por aí, encontrei este vídeo da Perestroika que sem palavras emocionam qualquer uma...Facilmente pode ser colocado na categoria de videos incríveis !! Então, a partir de hoje todos os videos bacaninhas seja sobre maternidade, seja sobre a vida será postado aqui...



O que você gostaria de ficar sabendo antes do seu filho nascer, mas ninguém nunca lhe contou??? Ha ha ha...

Minha resposta preferida: - "É como vídeo game....A próxima fase é sempre a mais difícil!!!!" =)

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Muito além do peso!!! DOCUMENTÁRIO SENSACIONAL

Diante de minha indignação com o que vi e ouvi neste documentário da Maria Farinha Filmes, posto aqui para vocês o link do mesmo...


Este é sem dúvida alguma o melhor vídeo sobre o tema de obesidade infantil, principalmente porque choca. É longo, tem a duração de mais de uma hora, mas vale cada segundinho!!!

A gente age sempre da mesma maneira com a frase clássica: -"Tudo bem, é só uma latinha ou é só uma bolachinha..." e é assim mesmo, por hoje é uma, por semana são sete, por mês são trinta e não vimos a extensão do problema porque simplesmente não enxergamos o problema a longo prazo, aliás vimos tudo com um imediatismo tão grande que não nos damos conta da insanidade alimentícia que cometemos, e quando notamos...aí já é tarde porque os quilinhos a mais nem é o pior que se pode acontecer.

O vídeo aborda muitos aspectos interessantes, além dos estudos de casos com crianças obesas, com hipertensão arterial, diabetes tipo II, trombose, há alguns especialistas comentando aspectos inusitados como Alex Boguski - diretor de criação de uma das agencias mais premiadas dos EUA, que diz que a TV é não é uma babá e sim um vendedor graduado em Havard. Minha opinião...visão brilhante, que nunca iriamos um dia pensarmos em ter!!!!

Retirei do filme as partes comparativas mais assustadoras...

Trechos do Documentário Muito Além do Peso
Seja uma mãe consciente, ofereça sempre alimentos saudáveis, nem que para isso seja taxada de piegas...colocar fruta do lugar de bolacha recheada e água no lugar de suco industrializado na lancheira de seu filho não é prova de que você pode mais ou menos economicamente falando, é apenas o reflexo de suas escolhas!!! Aliás, ótimas escolhas!!!

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Diário da Cat: 13 meses...Finalmente andando!!!!

Nossa, como esperei por este momento!!!! Sonhava que aconteceria antes do primeiro aniversário, mas não aconteceu, então já que tinha passado o dia esperado, resolvi desencarnar de vez...

A Cat começou a andar com apoio com 10 meses por isso achava que dois meses fossem suficientes para ela começar a dar os primeiros passinhos sem as mãos. Eu nunca fui a favor de andadores, por isso nunca comprei ou usei. Veja o post sobre eles no blog!!!

Confesso que até simpatia eu fiz, eu não, as vovós porque a pessoa que indicou a simpatia disse que eu não poderia fazê-lá porque eu não acreditava nisso.

Pior era ver crianças mais novas andando de velhas...kkk. Cheguei a ver algumas com 9 meses andando, aiiiiiii....que inveja danada!!!! Mas que criançada precoce.

Minha mãe disse não lembrar quando eu comecei a andar, mas minha sogra disse que o pai da Cat começou a andar com somente 1 ano e 3 meses, mas tinha que puxar isso do pai????kkk

Mas foi assim, dando um passinho de cada vez, caindo de bunda (orgulho do pai tê-la ensinado a cair assim, para não se machucar) que em 28 de dezembro de 2012 ela resolveu andar.

Todo mundo sempre diz que depois disso, não há mais sossego, acho que não é bem assim!!! Eu prefiro muito mais andar de mãozinha dada do que carregá-la no colo, claro que agora o grau de independência é maior, e isso não é bom????!!!!! Eu acho ótimo...